Uma boa escolha: Pet feliz, tutor mais ainda!

 

*Por Augusto Pegoraro 

É certo que não podemos esperar um comportamento de cachorro num gato. Parece óbvio isso, né? Mas, nossa realidade mostra que não, porque as pessoas confundem muito os seus desejos na hora de adquirir um animal e não sabem dar nome para o que querem. Antes de qualquer ação, é preciso mapear os anseios com calma para evitar surpresas desagradáveis no futuro. Não vá pelo impulso da vontade! Keep Calm! Resista e faça uma escolha que combine com você.

A boa escolha é aquela que considera as variáveis que existem fora do querer.

Por trás da ânsia de ter um cachorro ou um animal, existe uma infinidade de possibilidades que vamos discorrer. Quem compra um pet porque é bonito e não avalia se o animal combina com o seu temperamento e estilo de vida, estará numa encrenca, caso não dê sorte. Quem nunca ouviu a história “me disseram que ele não ia crescer”? Por mais que você ame o animal, é preciso pesquisar, antes e não depois, sobre a raça, saber da natureza do cão, para que ele foi ”desenvolvido” no passado (para caça, para pastoreio, guarda, companhia), e também considerar qual é a sua rotina, a rotina da casa, o tempo que você tem disponível para dedicar ao bicho e o seu temperamento; tudo isso para que o tutor consiga chegar a uma conclusão satisfatória de que tipo de animal cabe na sua vida. É necessário abrir esse leque de questões para que não haja sofrimento posterior à escolha. Uma decisão errada acarreta estresse e infelicidade para ambos. Acredite!

Existem inúmeros cães que sofrem abandono estando no seu próprio lar. E isso é triste, muito triste. Às vezes, pensar sobre tudo isso, leve a pessoa a concluir que para ela o mais indicado é ter um Beta (um peixinho) em um aquário sozinho, porque é o que se encaixa ao seu estilo de vida. Exemplo: não quero um cachorro que fique em cima de mim toda hora, não quero um cão que me lamba, e eu fico o dia todo fora de casa. Tem certeza de que você quer mesmo um cachorro?

Às vezes, o tutor quer um cão só para proteger a casa, então, ele precisa se informar de quais são as raças de guarda, precisa ser um cachorro grande, ativo, voltado para essa função especificamente (um Golden não se encaixaria aqui, apesar do grande porte, ele requer atenção/interação e muitos cuidados extras, mas que por sua beleza e encanto singular pode parecer ótima alternativa). E mesmo que o cão seja só para guardar a casa, é importante saber quem vai alimentar esse animal. É possível escolher um animal que não exija tanta interação, que não dê tanto trabalho e que atenda essa necessidade como o Pastor Alemão e o Rottweiler que são excelentes para a guarda e pastoreio. Um Chihuahua, apesar de ser corajoso, rápido e alerta, não suprirá a necessidade, pois, o seu pequeno porte não costuma intimidar as pessoas.

Quanto maior o espaço da casa do tutor, menor é a exigência de passear com o cão. Casas com amplo quintal ou cômodos grandões possibilitam que o cão se exercite sozinho. Claro que devemos passear com nossos cães, mas a frequência e a intensidade varia caso a caso. Se o espaço para moradia for pequeno, isso será um ponto de atenção, pois haverá necessidade de levar o seu pet para fazer atividade fora, realizando caminhadas com mais frequência. Nesse último caso não se decida por cães ativos, se tiver pouco tempo para leva-lo para passear.

Cães muito ativos, como o labrador, border collie, os terriers como o fox paulistinha e o schnauzer, beagle, necessitam de espaço e/ou passeios/atividade. Perceba que o porte do cachorro não tem relação alguma com o seu nível de atividade. São considerados cães menos ativos e que não carecem de muito espaço e/ou muitos passeios o pug, buldogue, mastiff, fila, molossóides. O beagle, por exemplo, é record em segunda venda, porque é lindo demais e seduz qualquer um pelo olhar e coração, mas é extremamente ativo e energético, pois foi desenvolvido inicialmente para caça, e por isso, tem vontade própria, é independente nas ações, parecendo ser desobediente (o que acaba surpreendendo de forma negativa quem o adquiri e não está esperando tanta energia).

Há cachorros que latem muito mais do que outros, você sabia disso? O salsichinha, os terrriers de forma geral, schnauzer, daxner, pinscher, jack russel, são exemplos de cães ativos e que latem com mais frequência e facilidade.

Moral da história: Querer um cachorro é só a pontinha do iceberg, caso você queira um “felizes para sempre”. Antes de decidir, pesquise e identifique as principais características dos cães para escolher o que melhor se adaptará ao seu estilo de vida.

*O Dr. Augusto Pegoraro é médico veterinário e gestor comercial da BioDog, uma empresa de petiscos naturais e saudáveis para cães.

Leave a Reply